Translate

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A harpa de Eurico...



...

2º Acto - As lembranças (1)

Eurico Cuneo do outro lado da vida, formulava desejos de sonho em lugares românticos...

Ao som do frio e do calor das suas notas, desejava abraça-la...  assim que pudesse. Pretendia envolvê-la  nos seus braços e adormecê-la para sempre junto de si... sentia-lhe a falta. 

Era tão grande a saudade e a admiração que tinha por aquela antonomasia morena, de carácter  doce, que às vezes, imaginava que tinha asas e podia voar azul ao som da sua harpa...e, voava mesmo...flutuava, dedilhando... Apaixonado, em tradução literal recordava abendmusik....

Fim do 2ºActo.

Interlúdio

3ºActo - As lembranças e o princípio da agonia ...(2)

...ouvia o Ré no sistema alfabético como se ela lhe cantasse ao ouvido, baixinho, sussurrando nota a nota e perdia a respiração e o fôlego...

Accelerando, não sabia mais o que fazer para acalmar aquela saudade e aquele desejo semmmmmmm fim. Aquela lembrança dorida, que tanta alegria lhe trazia e lhe aconchegava a alma por instantes salteados... Lembrava os beijos, os mimos, os colos trocados... os risos, as carícias, os afagos e a ternura imensa dos poucos e curtos momentos, que uma vez passaram juntos...

... as luzes apagam-se, o pano cai e a plateia cristaliza...

Momento do reencontro. Cenografia: sem tempo, sem horas, sem lugar, para poderem viver finalmente um amor verdadeiro, intenso e serem felizes...
No quarto-muro....deixaram o teatro da vida, para viver de verdade...

...até, que o dramaturgo dê início a um novo processo criativo reinventando a história.

FIM


11 comentários:

  1. Gostei. Um final bem interessante! Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. que lindo Ana!! Que história essa ... será que vão conseguir mesmo saír dos palcos e partir para outro lugar? Ás vezes não basta o desejo não é? beijos e obrigada pela história

    ResponderEliminar
  3. Amiga...isto é um excerto de uma história de ficção, inspirada apenas em vidas que vejo...gostei que a adoptasses como se fosse tua...um dia prometo que te escrevo uma, porque tu és uma fonte de inspiração...e, tu sabes isso.bjsss

    ResponderEliminar
  4. Ana esse excerto é triste ...eles não ficam juntos...
    bjs

    ResponderEliminar
  5. "...No quarto-muro....deixaram o teatro da vida, para viver de verdade..." - se eu fosse o dramaturgo (?!) não acrescentava mesmo mais nada!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Alfa, faz-me falta o resto...
    Até o resto de ti, que andas tão por lá...

    um beijo

    ResponderEliminar
  7. Parece-me um concerto Rock...á 200 anos atrás...
    Mas o amor é sem tempo.
    Bj

    ResponderEliminar
  8. Pois é,Ana...cresces a cada texto que escreves...já vou tendo deficuldades em te comentar...e ainda bem!

    Bj*

    ResponderEliminar
  9. MUITO ORIGINAL ...NÃO TE SEGUI MAS COMPREENDI A COMPLEXIDADE ENTRE O TEXTO E A OBRA MUSICAL...

    ResponderEliminar

alfa diz: