Translate

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Recordar - Brincar com as palavras...cifra de transposição ou anagrama...



(adoro esta música ....faz tempo que não a ouvia,...é uma música da minha adolescência,...e agora voltei a encontrar-me com ela  - Eagles. Para o meu filho, a  inspiração para esta história,...)

...e se parássemos um pouco...estou cansado! - Respondia o menino, com a cabeça deitada no antebraço pousado na secretária, sem forças para erguer aquela invenção de outros tempos, a esferográfica. Depois de um dia de escola repleto de letras, números, conceitos, regras e muita brincadeira, a meio de mais uma semana, de um ano lectivo qualquer e perdido entre livros, cadernos e lápis, o João esforçava-se para não desiludir a mãe, que ao seu lado paciente permanecia.

- Por favor, João estuda. Suplicava a mãe, sonhando com um futuro melhor para o seu único filho e por isso a sua única esperança.

- Escreve um título para uma composição, em que utilizes apenas 20 letras, nem mais nem menos. Usa apenas: três E's; quatro S’s; dois P’s; dois A’s; dois M’s; três O’s; dois U’s; um C e um R. É o último T.P.C. que te passo hoje, amanhã continuas... depois, podes brincar com as letras como quiseres.

Ainda mal tinha agarrado na caneta, já as palavras se atropelavam umas às outras e queriam saltar para fora daquele pequeno cérebro, sem que este conseguisse proceder ao seu registo.

Cada uma gritava mais alto que a outra, para se fazer ouvir.

- Eu sou a primeira! Dizia com convicção uma delas, por ser a mais antiga.
- Não, a primeira palavra da primeira frase sou eu, porque sou a mais bonita de todas.
- Ora, ora, replicava outra. - Era o que faltava, eu cheguei primeiro.
E outra, - Pois eu sou a 2ª palavra da 3ª frase, está bem? A confusão continuava...

Ao fundo o João ouvia.
- Não, não e não, eu quero ser a 5ª palavra da 14ª frase, já disse! - Eu tenho mais perfil para ser a 8ª da 10ª frase. - Eu quero ser a última palavra da última frase, para que  todos se lembrem de mim...

…e assim ensurdessivamente???!!!, ou ensurdecivamente, ensurdecessivamente ???!!! Esta, era uma palavra tão nova, tão fresca e acabada de nascer que nem ela própria, ainda sabia como se iria escrever. Os gritos das palavras estonteavam os ouvidos ao João.

Teimosamente, empurravam-se umas às outras sem conseguir formar em fila indiana, para dar início ao exercício, ao desafio invulgar. O cérebro do João, não conseguia sequer a concentração necessária, para enviar uma simples mensagem à sua própria mão. Mão essa, que por sua vez havia de fazer deslizar o bico da caneta sobre o papel.

Interrompidas pelo menino em desespero foram as palavras, que perplexas e assustadas ouviram em tom determinante e decidido!
- Por favor, parem de fazer barulho! Comportem-se! Preciso pensar! Eu, é que vou decidir a ordem porque vão ficar alinhadas, aprumadas na folha. Ouviram?

Abrandando o tom, acrescentou:

- …primeiro, preciso saber, quantas palavras consigo fabricar com aquelas vinte letras; escolher o tema do texto e só depois, dar-vos um sentido, organizar-vos em frases/orações com sujeito, predicado, complemento directo ou indirecto… dar sentido às orações, simples ou complexas; como pretendo que sejam ligadas entre si, por forma da conjunção ou da subordinação; optar por conjunções e locuções conjuncionais coordenativas ou subordinativas, copulativas, adversativas…, condicionais, comparativas, temporais, concessivas ou finais… Mas, para hoje, a minha mãe disse que só teria que criar um título, o resto da composição só irá ser feita amanhã, não há razão para se atropelarem, parecem crianças no recreio.

Fez-se silêncio… a maioria das palavras e das letras perceberam finalmente, que não precisavam correr aos empurrões, talvez só amanhã, caso o João voltasse a estudar.

O silêncio, agora trespassado apenas pela música de fundo proveniente do rádio que tinha no quarto, trazia a quietude perfeita. Meteu mãos à obra, adorava edificar desta forma.

Começou a escrever e a ordenar alfabeticamente todas as palavras que surgiam no espírito, tendo sempre como regra as vinte letras, naquela quantidade determinada, para erigir o título que a mãe lhe pedira, como último esforço para o dia de hoje.

…ama/amara/Amo/amor/asco/cessou/com/comer/compor/comum/copa/couro/era/Era/espasmo/espera/
esperamos/esse/espesso/maus/meus/mouros/museu/opus/ouro/ousar/para/passamos/peou/pouco/peso/
pesar/ramos/rapar/raspo/remos/ria/riamos/rumar/rumo/sapo/sarar/se/separar/ser/seremos/somos/sopro/
soro/sua/supra/uma/usar/…

Depois de inúmeras tentativas e muitas possibilidades sem sentido, chegou à conclusão que tinha descoberto uma, sem querer saber se haveriam outras.

Aproveitou para brincar, agora com a mãe, dizendo que ia apresentar-lhe o título da sua composição em cifra de transposição ou Anagrama.

- O que é isso João? - Deixa-te de brincadeiras, vá lá filho, ainda tens que tomar banho, jantar e dormir, para te levantares cedo de novo e não chegares tarde ao colégio.

-Mãe, vou dar-te uma ou duas pistas, para te ajudar a descobrir. Por exemplo: Elegant mana gentelman, tal como Elvis é um anagrama de lives. Foi a professora de inglês que me ensinou. Funciona do seguinte modo…, as letras de uma mensagem são retiradas da sua ordem original e realinhadas num outro padrão. é um anagrama de

- João, por favor, não tenho tempo para as tuas brincadeiras, amor. Preciso de ir fazer o jantar entre outras rotinas da casa, senão não consigo com que te deites cedo para descansar o suficiente. Mostra lá o título que escolheste e deixa-me contar as letras.

- É este, mãe - ...e, sem poucos amar, peou-se…

A tarefa tinha-se revelado difícil, porque o João tinha apostado em cumprir as regras que a mãe lhe tinha imposto e ainda tentou aplicar a cifra de transposição, apesar de cansado de facto. Foi quando disse …e, se parássemos um pouco…que se lembrou dos jogos que se podem fazer com as palavras e com o mesmo número de letras, na quantidade original, procurar encontrando uma outra frase que faça sentido.

Era um exercício difícil, mas tinha lhe dado um imenso prazer. Tinha feito apenas uma pequena batota, que nunca revelou a ninguém e que arriscava, que o professor da disciplina de Português quando fizesse a correcção do T.P.C., talvez não desse por isso, só com a preocupação de ter que ler em pouco tempo 26 composições, que eram o número total de alunos que compunham a turma do 7ºB, a sua turma. Não utilizou o assento grave (´).

Para o dia seguinte, resolveu deixar o corpo do texto. Contudo, já tinha decidido mesmo antes de arrumar a mochila, que iria utilizar as metáforas de quem tanto gostava, as hipérboles, as personificações e os eufemismos, amigos com que gostava de brincar nos dias de frio e chuva que o privavam de jogar à bola na rua.

Um dia queria ser um grande escritor, mas não tinha pressa, sabia que, tinha ainda muito para aprender.



37 comentários:

  1. Fiquei presa do começo ao fim a sua narrativa. Sou apaixonada pelas letras , pelas notas musicais enfim pelos detalhes menores que constroem a gradiosidade das palavras e da música. Muito bem colocada a importância hierárquica neste contexto. Não se faz um escritor sem profundidade no conhecimento da linguística. Muito concatenada a idéia desta compreensão dentro do seu inteligente texto. Abraços.

    ResponderEliminar
  2. olá
    já estava a ficar preocupada por não escreveres a algum tempo, agora percebo porquê.
    continuas em Grande....
    bj
    teresa infante

    ResponderEliminar
  3. Olá

    Venho hoje retribuir uma gentil visita, e foi com grande prazer que li este maravilhoso texto cheio de inspiração, muitos parabens, vou voltar.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Prá ti, querida! Posto que Imortal és em Vida* Lindíssima Postagem! Eagles, jogos de palavras, anagramas, que Bom Gosto!


    *Há uma burburinho na rua
    Soa tão familiar
    Grandes expectativas
    Todos te estão observando
    As pessoas que encontras
    Todas parecem conhecer-te
    Inclusive os teus velhos amigos
    Tratam-te como se foras algo novo

    Joãozinho, recém-chegado, o garoto novo na cidade
    Todo mundo te ama, então não os desaponte

    Tu olhas nos olhos dela; a música começa a tocar
    Românticos incorrigíveis, aqui vamos nós novamente
    Alguns tempo depois, porém, pareces o contrário
    São esses corações desinquietos que nunca se curam

    Joãozinho, recém-chegado, o garoto novo na cidade
    Ainda ela te amará quando não estiveres por perto?
    Há tantas coisas que deverias ter-lhe contado
    Mas toda noite estás disposto a abraçá-la
    Apenas abraçá-la, lágrimas em seu ombro

    Há um burburinho na rua
    Para lembrar-te de que na verdade pouco importa
    De que lado estejas
    Partes
    E falando às tuas costas
    Jamais te esquecerão
    Até alguém novo cintilar no multidão
    Por onde andes ultimamente?
    Há um garoto novo na cidade
    Todos te amam, não?
    Olha, outro abrançado-a
    E ainda estás por perto
    Oh, minha nossa
    Há um garoto novo na cidade
    Ooh, hoo
    Todos estão falando
    Do garoto novo na cidade
    Ooh, hoo
    Todo mundo está caminhando
    Como o garoto novo na cidade
    Há um garoto novo na cidade
    Há um garoto novo na cidade
    Eu não quero ouvir isso
    Há um garoto novo na cidade
    Eu não quero ouvir isso
    Há um garoto novo na cidade
    Há um garoto novo na cidade
    Há um garoto novo na cidade

    *Um Garoto novo na cidade*
    Trad. da Renata Cordeiro, malfeita agora* Quando eu voltar a enxergar um pouco mais, faço melhores comments*
    Beijos********
    Tenha um Lindo Dia, Lulu*
    Renata

    ResponderEliminar
  5. Ele queria/ ele era/é e creio que o sabia, porque com tanta peso sobre si, só esta belíssima escrita o aliviava o dia a dia. Brincando de aprender, João - the new boy in town - ensinava. E que maestria!
    Maravilhoso!
    Beijos querida*
    Renata

    ResponderEliminar
  6. ...Vou fazer o k?
    Simplesmente deixar-te o bj

    ResponderEliminar
  7. ALPHA...

    COMO NÃO TENHO O TEU DOM DE BRICAR COM AS LETRAS.

    SIMPLESMENTE AMEI ESTE NOVO POST COMO AMEI OS OUTROS.

    QUE BOM PODER ESTAR AQUI.

    TENHA UM BOM FIM DE SEMANA

    :))DOCE CARINHO

    ResponderEliminar
  8. e un gusto venir hasta tu espació.
    un abrazo

    ResponderEliminar
  9. "Alfa" amiga, brilhante! Valeu a pena esperar, esta história ficou encantadora!
    Beijinho e obrigado pela sua presença e palavras amigas nos meus espaços

    ResponderEliminar
  10. Descreveste bem o que acontece quando queremos que alguém produza através de normas, somente normas, mas quando descobrimos que podemos ser livres e que com as letras do alfabeto conseguimos escrever o resto do mundo, tudo fica mais fácil...
    Assim nos tornamos libertos.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  11. oi alfa,
    sou apaixonada por notas musicais.
    amei seu texto.
    linda semana bjos.

    ResponderEliminar
  12. A música perfeita para as imagens e para o texto. Foi para mim, muito bom recordá-la também.
    Parabéns!
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. ...Obviamente que tem muito para aprender...mas com uma mãe como tu por perto,tudo se tornará mais fácil.
    Obrigado pelo teu comment's no "outro lado"...fico a aguardar para te poder retribuir e congratular-me com o êxito no "teu processo"...faz-te ao caminho,que se faz tarde ;-)

    Bj*

    ResponderEliminar
  14. Holla escriba querida de narrativas intensas e lindas:
    sôdades doce,minina escriba,pelos anjos nos doada,inicio este com um lembrete:vc ,acho eu,é uma escriba perfeita para desenvolver "a segunda pele" tema infinito,que pode em narrativa tua ,aos píncaros chegar!
    por favor me desculpe,mas não esqueci de te recolocar o selo,poios estou entre roteiros e scrips,desde as quatro da manhã,me aguarde,pois bem sabes que és querida e nunca esquecida!

    te amo,pessoa escriba!

    viva la vida

    luz e paz para vc e os seus mais amados

    narrathiva de post esse overture foi para dia esse!

    paz saude vida

    ResponderEliminar
  15. LIndo e isnpirado texto e realmente estamos SEMPRE a aprender...beijos,tudo de bom!chica

    ResponderEliminar
  16. Obrigada por seu carinho amada, volte, receberás sempre um abrço de bem vinda, lindo fim de semana, beijos.
    Gostei muito do seu cantinho de carinho, voltarei.

    ResponderEliminar
  17. Olá Alfa,

    gostei imenso deste texto que conta uma história encantadora. Podemos aprender com alegria. Podemos partilhar com entusiasmo. Belíssimo exemplo.

    1 Bj*
    Luísa

    ResponderEliminar
  18. De leitura fácil e muito interessante.

    Haverá tempo,sim!Há sempre quando se trata de aprender...

    L.B.

    ResponderEliminar
  19. Alfa, amada!
    Adorei sua visita... Quanto a essa postagem além de linda me fez viajar no túnel do tempo agarradinha a Eagles. Bão dimaiiiiisss, sô! (como dizemos aqui na minha terrinha rsrs)
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. Passar por aqui foi bom,gostei muito



    APENAS PALAVRAS



    As palavras ...
    Saltammm...
    Pulammm...
    Gritammm...
    Brincammm...


    Entrelaçam-se...
    E... fazem...
    A alegria ...
    De muita gente...
    Gente que nunca...
    Olhou palavras...
    Nunca as sentiu...
    E que nunca...
    As quis ver...


    Mas quando as olhou...
    Viu como brincavam
    Como dançavam...
    Como se entrelaçavam...
    E assim...
    Aprenderam a gostar...
    E a sentir...
    O verdadeiro valor...
    Das Palavras!...


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  21. Querida nova amiga!

    Gostei muito de seu blog e da maneira como escreve!Voltarei mais e mais vezes!

    beijos brasileiros!

    Bia

    ResponderEliminar
  22. Encontrei um lindo presente no meu cantinho e vim agradecer;o)

    Visitei seu cantinho várias vezes sem deixar rasto da minha passagem por falta de tempo (período difícil no meu trabalho!).
    Agora já estou menos atarefada e aproveito para dizer toda a admiração que tenho por seus textos
    sempre magnificamente bem escritos*

    ***
    Muito obrigada pela partilha e um domingo muitíssimo feliz********

    ResponderEliminar
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  24. alfa!
    Um bom domingo, o meu melhorou com este texto inteligentemente elaborado que parece sair assim tão escorreito e fácil, mas é entroncado e só para quem tem o dom de assim tão bem comunicar e brincar/sério com as palavras.
    Os eagles e esta música em especial entre outras deles me acompanha quase diariamente no PC assim como no carro, gosto da ideia de conhecer quem goste de ouvir as mesmas músicas que ouço e me delicio.
    Grato pela tua visita lá na cubata da "serra...", é uma honra para mim.
    Oxalá o João não tenha pressa e saiba abraçar a arte de bem escrever como a mãe e que se faça uma grande escritor e comunicador.
    Bem hajas e recebe o meu sincero e amigo kandando.

    ResponderEliminar
  25. Olá ALFA!

    Obrigada pela sua visita.
    Adorei a sua história e a maneira como brinca com as palavras!É mágico!
    Beijinhos.HELENA

    ResponderEliminar
  26. Bom dia minha querida,muito obrigado pela sua visita.
    Amei a sinfonia das palavras é assim que nascem os grandes poetas rs.
    Parabénsssssssss.
    Estou de casa nova agora o antigo vou deixar de recordações,seja bem vinda sempre.
    Beijokas.
    http://perolamarinhadois.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  27. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do blog seara de versos. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  28. Loura? qual loura???
    Nuno Ribeiro
    Eternamente
    www.eternamente-poeta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  29. Escreves muito bem e tens um bom gosto musical. Eagles é o mesmo do Hotel Califórnia? Gostei muito. Beijo

    ResponderEliminar
  30. Eu e a Marcia abrimos um blog direcionado à mulheres.
    Fica aqui o meu convite para vc conhecer esse novo espaço nosso, o link é esse aqui:

    http://meninaspoderosasdoblog.blogspot.com/

    Desde já fico-lhe grata.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  31. Olá
    Obrigado por sua visita ao meu blog, pelo comentário e por estar me seguindo. Quando puder volte, vou gostar muito.
    Gostei do que vi aqui.
    Bjs

    ResponderEliminar
  32. Alfa,
    Quanta criatividade! Não é assim tão fácil, mas prende com entusiasmo até ao fim. O João é de facto um herói nas palavras e a bola ali tão perto!...
    Excepcional música!...
    Bjs,
    Manuela

    ResponderEliminar
  33. Adoravel a sua narrativa!

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  34. Que o João aproveite bem a criatividade, sensibilidade e bom gosto da mãe.
    No mínimo achei brilhante! Continua porque esse é o poder mágico e infinito das letras soltas, as palavras...
    bjnhs mts

    ResponderEliminar

alfa diz: