Translate

sábado, 2 de outubro de 2010

Quando nascer de novo...


Quando nascer de novo...
não vou voltar a ser mulher, 
nem homem,
nem pássaro, nem golfinho,
nem Sol, nem mastro,
nem realidade, nem vertigem,
nem dor, nem pesar,
nem mágoa, nem pranto,
nem sombra, nem lágrima,
nem pó, nem grão,
nem Mar, nem chão
nem fado, nem canção

acabei de decidir,
vou ser um livro...

(vou nascer no meio dos livros...)

...No fim do tempo, numa boa hora, as águas vão rebentar e vou brotar de algum ventre materno... vou nascer de novo, mas desta vez numa biblioteca, no meio dos livros...e tornar-me-ei um deles...

vou ter capa, sem que ninguém me acuse
vou ter folhas como as árvores, sem secar
vou ter letras impressas no corpo, sem que ninguém me olhe de lado
vou sobre uns e com outros, sem ser classificada
vou andar de mão em mão, sem ser acusada
vou estar nas montras à venda, sem que seja olhada com luxuria

vou ser de papel...

-----//-----
...o ambiente é de delírio, a emoção prolifera por entre os presentes...vai nascer um livro novo.... é sempre este o ambiente quando está para nascer um livro novo.... em suspense encontram-se inúmeros autores e personagens sonhadas, que assistem aos nascimentos de quem um dia se metamorfoseou... 

...clássicos e contemporâneos aguardam ansiosamente o nascimento... Stendhal, Victor Hugo, Miguel de Cervantes, Garbriel Garcia Marquez, Herman Hesse, Dostoiévski, Emile Zola, Emile Bronte, Dante Alighieri, Machado de Assis, José de Alencar, Bocage, Fernando Pessoa e heterónimos, Shakespeare, Homero, Joyce, Kafka, Mário Quintana, Jorge Luis Borges, Melville, Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade, Netzsche, Antoine de Saint-Exupery, Paulo Coelho, Vinicius de Moraes, Clarice Lispector, Orwell, Virginia Woolf, Daniel Defoe, Chuck Palahniuk, Sófocles Jung, Alexandre Dumas, Pablo Neruda, Tolkien, Agustina Bessa Luís, Alberto Braga, Stieg Larsson, Augusto Cury, Bento da Cruz...
viverei numa biblioteca e serei um livro, ...multiplicar-me-ei em histórias de sonho...de guerras...de vidas...de amores...e desamores...de aventuras...

...deixarei de ser quem sou para interiorizar cada  história, cada personagem ...vou viajar pelo mundo em páginas e páginas de letra impressa, vou viajar no tempo de páginas amarelecidas pelo pó,... vou sentir a curiosidade e a expectativa inicial de um livro que se começa a ler...vou sentir, ao canto de cada página, a saliva de dedos que me tocam para me desfolhar na curiosidade de ver como acabo, vão-me devorar...
...e vou correr o risco de ser posto de lado antes de terminar, porque não consegui a empatia de quem me acolhe. As folhas e folhas que vou ter, vão ficar embriagadas de tantas letras e vão formar palavras e emocionadas construir frases no empenho de uma história alucinante ...

esquecer-me-ei de mim enquanto Ser...vou ficar calada para sempre, para que me oiçam com atenção... vou ter sempre dentro de mim a enfeitar-me, marcadores coloridos, de papel, de plástico, de metal, de prata, com pedras coloridas ou preciosas...
...esquecer-me-ei de mim e deixarei de falar, de me vestir, de comer, de beber, tarefas cansativas de rotinas urbanas sem precedentes...

e entre livros, grandes e pequenos, fantásticos e didácticos, a cheirar a novo ou antigos, ...deitar-me-ei ao seu lado numa estante ou numa qualquer mesa de cabeceira que me acolherá depois de umas mãos...e feliz, vou aguardar que me voltem a pegar, tantas vezes, quantas o entendam necessário até satisfazer por inteiro a curiosidade ou o momento de alguém...

...transformar-me-ei em múltiplas personagens imaginadas por cada um dos escritores que me escrevem... vou ver rir, vou ver sofrer, chorar, amar, amar sem pensar, naufragar, viajar, prometer, desafiar, não cumprir, imaginar, desmentir, seduzir, permanecer, desencontrar, subestimar, enlouquecer, caracterizar, repetir, sacrificar, analisar, cristalizar, surpreender, acautelar, proporcionar, ...no fundo, quero dizer viver...e amar, amar, amar...

...e assim, serei eterna na minha forma de estar...


14 comentários:

  1. Todos deveríamos nascer assim - onde tudo acontece - no meio das mais belas palavras...
    Nasceria eu nos contos de Sherazade ou nas aventuras de Odisseu.
    Bela postagem
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Se nascêssemos livros já saberíamos toda a nossa história e mais simples seria vivê-la.
    Apenas poderíamos cumprir as regras.

    ResponderEliminar
  3. "...e vou correr o risco de ser posto de lado antes de terminar, porque não consegui a empatia de quem me acolhe..."
    Este é o risco que todos corremos, mesmo não nascendo livros; de qualquer forma este texto está
    espectacularmente bem e pensando melhor; nascer sob a forma de livro não deve ser mau de todo...teríamos com certeza bem mais TEMPO de vida, também. Um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Já eu, como te invejo!, quando nascer de novo quero ser nada.

    Assim ninguém vai esperar muito de mim e quando fizer alguma coisa vai ser sempre uma surpresa.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. que belo texto amiga! e é isso ...amar...amar...amar!
    bj

    ResponderEliminar
  6. Olá

    Parabens pelo maravilhoso texto, nada como ser um bom livro onde se guarda o conhecimento, as memorias de uma vida, o amor.

    Adorei, bjs

    ResponderEliminar
  7. Um dos principais deveres do ser humano é cultivar a amizade dos livros .

    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Que belo hino de amor aos livros, ao livro, à literatura! Parabéns, deliciei-me com a leitura deste maravilhoso texto!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Olá Se um dia nacessemos do novo, eu não queria ser um livro, apenas aquilo que sou, Veleso fez um lindo ao amor e ao livro poderia ser o livro da vida.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  10. Desta forma você não vai só nascer de novo, desta forma você vai brilhar, vai encantar...

    lindo por demais cada linha..

    bjs
    Insana

    ResponderEliminar
  11. Ótima possibilidade...Desde que não fiquemos esquecidos numa prateleira de estante ...Que nosso dono lembre de vez em quando de lá buscar ensinamentos que o motivem para a vida.Beijos no coração.

    ResponderEliminar
  12. Ana, do melhor que tenho lido por aqui…metafórico texto, mas como eu o entendo, entendendo-te…assim alguém o entendesse também…entendendo-te!

    Bj*

    ResponderEliminar
  13. "Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças"
    Charles Darwin


    Bjs
    Insana

    ResponderEliminar

alfa diz: